Publicidade

Omolde > Notícias > Gestão de projeto é fulcral para garantir controlo e qualidade

Conferências, Seminários & Workshops

Gestão de projeto é fulcral para garantir controlo e qualidade

23 Abril 2021

Planear e controlar etapas. Limitar riscos e aproveitar oportunidades. Garantir que os objetivos, sejam de custos, sejam de qualidade, são alcançados. Estas são as principais vantagens de uma gestão de projeto eficaz. E assim sendo, as empresas deviam olhar mais para esta questão. No entanto, nem todas têm, ainda, este processo devidamente estruturado.

Esta foi, em síntese, a principal advertência de Tiago Ferreira, da Tebis Consulting, no decorrer do webinar técnico ‘Conceitos da gestão de projeto no planeamento’ que, organizado pela CEFAMOL, teve lugar no dia 22 de abril, contando com cerca de quatro dezenas de representantes do sector.


Lembrando que a gestão de projetos permite, entre outros, controlar e planear todas as atividades necessárias, limitar os riscos e aproveitar oportunidades e, principalmente, garantir que os objetivos do projeto são alcançados qualitativamente, atempadamente e dentro do orçamento, o responsável salientou que a empresa que representa disponibiliza um conjunto de soluções que asseguram essa resposta no que diz respeito, por exemplo, a consultoria estratégica, de planeamento ou monitorização.


E para assegurar que este processo de gestão é eficaz há, no seu entender, alguns parâmetros que importa ter em conta. O software utilizado é um deles. Contudo, para além deste, há outros, como a organização dos projetos, os métodos utilizados para planeamento e controlo ou a qualificação dos diferentes participantes do projeto.


Um outro aspeto para o qual chamou a atenção foi a necessidade de olhar para o processo e elencar as suas fases: desde a definição do projeto, do deu âmbito e a identificação dos riscos; ao planeamento, que deve integrar a estruturação do projeto, a definição de várias etapas, a criação de um método de comunicação e o planear das reações a riscos e oportunidades. Mas é importante não esquecer o controlo, frisou, considerando que é necessário o acompanhamento contínuo do projeto até à sua conclusão ou o registo das informações relevantes para a execução e melhoria de templates, entre outros. Sublinhou ainda que todas as fases devem ser monitorizadas.


Todos estes passos permitem que se chegue de forma muito controlada à conclusão do projeto e que nessa fase se consiga retirar lições, o que, destacou, será fundamental para melhorar os projetos futuros.



O planeamento

Tiago Ferreira salientou ainda que para assegurar a eficácia do processo, é necessário um gestor de projetos. Este deve, idealmente, ser alguém com conhecimento especializado, visão abrangente e deve liderar o projeto em todas as suas etapas.


Reportando-se à realidade industrial, o responsável considerou que há, ainda, muitas empresas que, para além de não terem definido um gestor de projeto, “não têm, sequer, o processo estruturado”. Ou, em alguns casos, “têm-no estruturado, mas de forma ineficiente”. Um dos problemas que diz ser frequente reside na comunicação. Esta, defendeu, deve ser gerida de forma assertiva e atempada, para garantir que é eficaz.


Um outro aspeto para a o qual chamou a atenção é o facto de, no seu entender, não ser dada atenção suficiente ao planeamento. E sem este, advertiu, o processo dificilmente será bem controlado.


Elencando alguns dos que considera serem os requisitos que um fabricante de moldes necessita para gerir com sucesso os seus projetos, destacam-se as análises de viabilidade técnica e dos prazos e custos, para além de uma visão geral atualizada das capacidades da empresa, bem como dos grupos de produção e departamentos. Neste aspeto, destacou, os softwares que, afirmou, representam um apoio imprescindível. Advertiu, no entanto, que a escolha deve ter em conta não apenas a qualidade do produto, mas também a forma como faz a interface com os equipamentos da empresa. “Optar por ‘softwares-ilha’ (aqueles que não fazem conexão com outros) pode revelar-se uma opção pouco correta”, defendeu, considerando que as empresas devem eleger modelos de gestão de projeto adequados às suas necessidades.